Bancários querem retomar processo de negociações com Santander

A Contraf-CUT, federações e sindicatos querem a retomada do processo de negociações permanentes com o Santander, conforme estabelece o acordo aditivo à convenção coletiva dos bancários, assinado no dia 11 de setembro, em São Paulo.

"Já cobramos do Santander a marcação de um calendário de reuniões, incluindo o Comitê de Relações Trabalhistas e o Fórum de Saúde e Condições de Trabalho", afirma o funcionário do banco e secretário de imprensa da Contraf-CUT, Ademir Wiederkehr. Trata-se de dois importantes espaços de negociação e debates com o banco, utilizados pelo movimento sindical para buscar soluções aos problemas dos trabalhadores, como o emprego.

Eleições democráticas no SantanderPrevi – "Também solicitamos a reinstalação do Grupo de Trabalho do SantanderPrevi, o antigo HolandaPrevi, a fim de continuar os debates para construir um processo eleitoral democrático e transparente, diferente do que existe hoje e desconhecido pela grande maioria dos mais de 40 mil participantes do fundo de pensão dos funcionários do Santander", destaca o dirigente sindical.

Conforme a cláusula 36ª do aditivo, o objetivo é assegurar a possibilidade de candidaturas dos participantes com ampla e prévia divulgação dos critérios de elegibilidade e publicidade em todas as áreas. O prazo para a conclusão dos trabalhos é de 60 dias a contar da assinatura do aditivo, isto é, até 11 de novembro.

Outras reuniões – As entidades sindicais também cobram a retomada das discussões sobre as demandas dos trabalhadores do call center de São Paulo e do Rio de Janeiro. "Queremos ainda iniciar os debates sobre a nova cláusula 33ª do aditivo, que trata da igualdade de oportunidades", salienta Ademir. O banco se comprometeu a apresentar anualmente os dados estatísticos constantes do seu balanço social para fins de acompanhamento e avaliação.

Ponto eletrônico – A Contraf-CUT também está retomando o debate com o Santander para firmar um acordo coletivo sobre "Sistema Alternativo Eletrônico de Controle de Jornada de Trabalho, em conformidade com a Portaria nº 373, de 25/02/2011". "O objetivo do movimento sindical é garantir o registro correto da jornada de trabalho dos funcionários do banco", ressalta Ademir.

Nas próximas semanas, a Contraf-CUT pretende convocar uma reunião dos integrantes da Comissão de Organização dos Empregados (COE) do Santander para discutir o assunto, a partir dos debates nos estados. Além disso, a entidade quer agendar uma reunião com os representantes do banco para que seja feita uma nova apresentação do ponto eletrônico ao movimento sindical, visando esclarecer dúvidas e resolver os problemas existentes.

Acordos com a mesma finalidade já foram assinados pela Contraf-CUT, federações e sindicatos com o Bradesco e recentemente com o Itaú.

Fonte: Contraf-CUT

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + 1 =