Manutenção da Selic em 7,25% não ajuda a baixar juros dos bancos

A Contraf-CUT criticou a manutenção da taxa básica de juros (Selic) em 7,25% ao ano na primeira reunião do Copom em 2013, ocorrida nesta quarta-feira (16 de janeiro de 2013), em Brasília. "Foi desperdiçada uma boa oportunidade para retomar o bom caminho da redução da Selic e, com isso, forçar uma queda maior dos juros e dos spreads dos bancos, a fim de baratear o crédito e incentivar o emprego, o desenvolvimento e a distribuição de renda", avalia o presidente da Contraf-CUT, Carlos Cordeiro.

Apesar das quedas da Selic em 2012, os bancos brasileiros ainda continuam praticando juros e spreads que permanecem entre os mais altos do mundo.

Levantamento da Anefac mostra que as taxas de dezembro, mesmo com as reduções em 2012, ainda estão longe do padrão internacional. A taxa de juros média geral para pessoa física foi de 5,44% ao mês (88,83% ao ano). O cheque especial ficou em 7,82% ao mês e o juro do cartão de crédito, com taxa de 9,37% ao mês (192,94% ao ano). Já a taxa de juros média geral para pessoa jurídica foi de 3,07% ao mês (43,74% ao ano). Todos esses juros ainda estão altos e necessitam cair mais.

"A inflação e a baixa inadimplência não justificam essas taxas elevadas nem as altíssimas provisões para devedores duvidosos", critica Carlos Cordeiro. "Os bancos podem emprestar mais com juros e spreads menores", defende. "No Brasil, o crédito beira 50% do PIB, enquanto em outros países chega até 300% do PIB", salienta.

O sindicalista denuncia que alguns bancos estão aumentando ainda mais as tarifas e demitindo funcionários a pretexto de compensar a queda dos juros e melhorar a eficiência para manter a alta rentabilidade. O Itaú anunciou já no começo deste ano que cortará mais pessoal na busca pela “eficiência”.   

Banco eficiente é o que oferece crédito barato e acessível, não demite, gera empregos, presta bons serviços, age com transparência e pratica responsabilidade social. Cordeiro afirma que juros altos não contribuem para retirar o Brasil da condição vergonhosa de 12º país com a pior distribuição de renda do mundo.


"Os bancos, enquanto concessões públicas, não podem andar na contramão do desenvolvimento. Juros mais baixos são fundamentais para ampliar o crédito, incentivar a produção e o consumo, gerar mais empregos, distribuir renda, combater a miséria e garantir inclusão social", salienta.

Fonte: Contraf-CUT

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze − 12 =