Santander recusa formas de proteção ao emprego

E o Santander seguirá demitindo bancárias e bancários em 2013. Em nova e ampliada audiência de mediação realizada nesta última quinta-feira (17 de janeiro), no Ministério Público do Trabalho (MPT), em Brasília, o banco recusou a proposta da Contraf-CUT de reintegração dos demitidos em dezembro de 2012 e de negociação sobre formas de proteção ao emprego. Além da Contraf-CUT, participaram dirigentes de várias entidades sindicais de todo país.


Sem negociação prévia – A Contraf-CUT propôs o estabelecimento de uma cláusula sobre redução de quadros com demissões coletivas, diante do compromisso firmado pelo banco na ata da mediação anterior, ocorrida no dia 9 de janeiro, de que "não há nenhum plano de redução de quadros, com dispensa coletiva" e que "o seu turn over encontra-se dentro da média do segmento financeiro". Pela proposta apresentada, o banco convocaria a Contraf-CUT para discussão de critérios quando esta ultrapasse a média do setor bancário.

No entanto, conforme registro em ata na mediação desta quinta, "o banco recusou a proposta de discutir previamente quaisquer demissões, bem como a proposta de reintegração. Reafirmou, ainda, que não efetuou demissão coletiva em dezembro e que não pretende iniciar processo de demissão coletiva".

Segundo dados divulgados pelo Dieese, o banco espanhol demitiu 1.280 funcionários só em dezembro de 2012, o que representou o corte de 955 empregos. Carlos Cordeiro, diretor da Contraf, denunciou que novas demissões estão ocorrendo em janeiro. Cordeiro salientou também que as liminares obtidas pelos Sindicatos dos Bancários da Bahia e da Paraíba continuam em vigor. A da Bahia garante a reintegração dos demitidos desde o dia 22 de novembro de 2012 e a da Paraíba suspende as dispensas e impede demissões coletivas.

Lá e aqui – Cordeiro ficou indignado com o novo descaso do Santander diante do emprego, a exemplo do que ocorreu no dia anterior na audiência de mediação em conjunto com o Itaú no Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), também em Brasília. Leia mais sobre clicando AQUI.

Ele informou ao MPT que na terça-feira (15 de janeiro) o banco assinou um acordo de emprego no processo de fusão do Banesto com as entidades sindicais espanholas (CC.OO-Comfia, UGT-FES, FITC e SEB), em Madri. Os representantes do banco alegaram que "são realidades diferentes".

Para o dirigente da Contraf-CUT, a diferença está no tratamento do banco aos trabalhadores. "Lá, na Espanha, em crise financeira, o Santander fecha acordo, garantindo mecanismos de informação, diálogo e respeito aos direitos dos funcionários, sem medidas traumáticas", afirmou Cordeiro.

"No Brasil, onde sai 26% do lucro mundial, o banco demitiu em massa antes do Natal, pratica rotatividade, age sem transparência e rechaçou negociação prévia sobre demissões", comparou. "A diferença é que o banco trata os trabalhadores brasileiros como se eles fossem de segunda categoria, o que é inaceitável", disse o dirigente sindical.

Dúvidas – Os representantes do Santander reclamaram do levantamento do Dieese sobre rotatividade, feito a partir dos dados do Caged de 2011 e 2012 (exceto dezembro), conforme números fornecidos pelo banco para a Contraf-CUT após determinação da procuradora do MPT, Ana Cristina Tostes Ribeiro. Eles disseram que não foram consideradas 11 mil transferências entre agências ocorridas no ano passado, o que não havia sido informado pelo banco.

A Contraf-CUT explicou também que o banco tinha enviado os dados sem informar os tipos de desligamentos e que o pedido de informações remetido no dia 11 de janeiro ainda não havia sido respondido, sendo essa questão um dos esclarecimentos solicitados em conjunto com o Dieese.

"O banco disse que ainda tinha prazo para responder, mas adiantou que várias dúvidas não serão elucidadas, revelando assim que não zela pela transparência e pelo direito à informação dos bancários e da sociedade", critica o secretário de Organização do Ramo Financeiro da Contraf-CUT, Miguel Pereira.

A procuradora do MPT determinou que o banco remeta detalhadamente por cada base sindical, até o meio-dia desta segunda-feira (21 de janeiro), os números de desligamentos sem justa causa, pedidos de demissão e aposentadoria ocorridos entre janeiro e dezembro de 2012. A Contraf-CUT pediu que fosse registrado em ata que a forma de envio dos dados não garantirá a exatidão das informações – o que somente se dará com a entrega do Caged aberto.

No mesmo prazo, o banco também deverá enviar os dados do Caged de dezembro do ano passado, com o total de admitidos e desligados.

Nova mediação dia 23 – Nova e ampliada audiência de mediação, aberta à participação de sindicatos e federações, foi marcada pelo MPT para a próxima quarta-feira (23), às 17h, em Brasília.

Reunião preparatória – Antes da mediação, nova reunião das entidades sindicais será realizada no mesmo dia, às 14h, na sede da Contraf-CUT, nas dependências do Sindicato dos Bancários de Brasília, para preparar os debates com o banco.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Brasília/ edição Assessoria de Comunicação Bancax.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez + 16 =