Primeira rodada de negociação com Fenaban nos dias 8 e 9

 

Acontece na próxima quinta e sexta-feira, dias 8 e 9, a primeira rodada de negociação do Comando Nacional dos Bancários, coordenado pela Contraf-CUT, com a Fenaban, em São Paulo. Nessa primeira etapa, será discutido o bloco de reivindicações sobre condições de trabalho, que envolve saúde do trabalhador, fim das metas abusivas e do assédio moral, e segurança bancária.

A Campanha Nacional dos Bancários deste ano tem como eixos centrais reajuste de 11,93% (inflação projetada do período mais aumento real de 5%), elevação do piso salarial ao valor do salário mínimo calculado pelo Dieese (R$ 2.860,21), defesa do emprego, fim da terceirização e melhores condições de trabalho.

Para o presidente da Contraf-CUT e coordenador do Comando Nacional, Carlos Cordeiro, os balanços dos bancos mostram que a situação do sistema financeiro é muito sólida, que os lucros continuam muito altos e que, por isso, eles têm plenas condições de atenderem às reivindicações dos bancários. "O momento é favorável para avançar nas conquistas econômicas e sociais da categoria", destaca.

 

BB e Caixa

O Comando Nacional também entregou as pautas de reivindicações específicas às direções do Banco do Brasil e da Caixa Econômica Federal. A primeira rodada de negociações com o BB foi marcada para o dia 14, às 13h, em Brasília. Com a Caixa, as negociações começam na próxima sexta-feira, dia 9, às 15h, também em Brasília. Em ambas, o tema inicial será saúde e condições de trabalho.

Bancos privados obtêm lucros astronômicos

Os três maiores bancos privados do país (Itaú, Bradesco e Santander) publicaram nos últimos dias os balanços do primeiro semestre de 2013, somando lucros de R$ 15,905 bilhões.

O lucro líquido do Itaú atingiu R$ 7,055 bilhões, o segundo maior lucro semestral da história dos bancos brasileiros, só ficando atrás de outro recorde do próprio banco no ano de 2011 (R$ 7,133 bilhões). O Bradesco obteve lucro líquido de R$ 5,921 bilhões, o maior da história do banco, e o Santander apurou um lucro gerencial de R$ 2,929 bilhões.

No entanto, eles continuaram demitindo milhares de bancários, praticando rotatividade para reduzir custos e eliminando juntos 5.988 empregos no semestre. Já nos últimos 12 meses os três bancos fecharam 10.254 empregos. Isso é inaceitável. "Eles estão andando na contramão do emprego, uma vez que o país gerou 826.168 novos postos de trabalho no período", aponta o dirigente sindical.

 

Vem pra luta, bancário e bancária!

Para Carlos Cordeiro, esses lucros, frutos do trabalho dos bancários, estimulam ainda mais a participação nas atividades de mobilização dos bancários. "Chegou a hora de ir à luta para conquistar aumento real de salário, emprego decente e distribuição de renda", conclama. "Somente com ousadia, unidade e mobilização, vamos arrancar o atendimento das reivindicações da categoria", salienta.

"Vem pra luta, bancário e bancária", convoca o presidente da Contraf-CUT.

Fonte: Contraf-CUT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte − 13 =