Leite Compensado 5: Proprietários de indústrias são presos por adulteração no Vale do Taquari

Leite Compensado 5: Proprietários de indústrias são presos por adulteração no Vale do Taquari
Foi deflagrada na manhã desta quinta-feira (08) a Operação Leite Compensado 5 em dez cidades do Vale do Taquari e do Vale do Sinos. Os proprietários das indústrias Pavlat, em Paverama, e Hollmann, em Imigrante, além de um funcionário desta última, foram presos por adulteração de leite. Amostras comprovaram que havia leite azedo e adição de água. Notas fiscais apreendidas confirmam também que foram comprados pelos suspeitos produtos como: soda cáustica, água oxigenada, bicarbonato de sódio, citrato, entre outros.

Investigação

De acordo com a investigação da Promotoria Criminal e de Defesa do Consumidor do Ministério Público, um dos objetivos iniciais é tentar comprovar se as substâncias apreendidas foram misturadas no leite para esconder a adição de água. Conforme a Receita Estadual, estes produtos eram adquiridos em larga escala. O promotor Mauro Rockenbach verificou que ordens eram dadas por parte dos proprietários das indústrias aos subordinados.

“Eles pediam que corrigissem o leite com adição de diversos produtos”, revela Rockenbach.

Prisões

Foram presos o proprietário da Pavlat, ÉrcioVanor Klein, e o proprietário da Hollmann, Sérgio Seewald, e o responsável pela política leiteira desta última, Jonatas William Krombauer. Ao todo, foram cumpridos estes três mandados de prisão e 15 de busca nas cidades de Paverama, Imigrante, Teutônia, Arroio do Meio, Encantado, Venâncio Aires, Marques de Souza, Travesseiro, Novo Hamburgo e Cruzeiro do Sul. Também foram expedidos mandados de apreensão de 34 caminhões usados para transportar leite.

Leite adulterado

No caso da Pavlat, foram 25 amostras e foi detectada adulteração em três lotes, sendo que estes já foram comercializados ou apreendidos, não ficando mais à venda produtos com suspeita de irregularidade. No entanto, este leite foi vendido na região do Vale do Taquari e em Florianópolis, em Santa Catarina. Mesmo dentro da validade, descobriu-se produto em estado de decomposição avançado.

No caso da Hollmann, foram 66 amostras de leite cru, por isso não se tem número de lotes. O produto foi vendido na região e também utilizado para a fabricação de queijo. Também foram encontrados produtos deteriorados devido à acidez provocada pela proliferação de microorganismos.

Operação Leite Compensado

A quinta parte da operação ocorre exatamente um ano depois da primeira. A grande questão agora é que se comprovou o envolvimento de indústrias na adulteração do leite. Nas quatro primeiras fases da ação, 13 pessoas foram presas, sendo que quatro foram soltas, e 26 denunciadas. Em dezembro do ano passado, seis réus foram condenados pela comarca da cidade de Ibirubá, no norte gaúcho.

Ao todo, as ações civis já contabilizam 117 bens considerados indisponíveis, 90 veículos e 27 imóveis, avaliados em R$ 10 milhões. Como resultado de assinaturas de Termos de Ajustamento de Conduta com indústrias de leite, já foram revertidos como doações a órgãos públicos cerca de R$ 8 milhões.

Fonte: Zero Hora.com
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × três =