Patrocinadora da Copa, Nestlé é denunciada por práticas antissindicais

Em carta enviada à casa dos 340 funcionários da unidade de Itabuna, na Bahia, a Nestlé, uma das maiores multinacionais do setor alimentício e patrocinadora da Copa do Mundo, ameaça a quem não aceitar abrir mão de direitos e melhorias salariais, numa flagrante violação à lei e às normas internacionais do trabalho.

No seu comunicado, a empresa coage os funcionários a realizarem uma assembleia para aprovar a sua proposta. Os trabalhadores reivindicam piso salarial único para todas as unidades e reajuste salarial de 9%, mas a multinacional oferece 7,5%, um aumento real de somente 0,5%.

A Confederação Nacional dos Trabalhadores nas Indústrias da Alimentação (Contac-CUT) denunciou o "crime antissindical da Nestlé" e alerta que, caso a empresa persista neste descaminho, fará uma denúncia formal à Organização Internacional do Trabalho (OIT) ao lado da Confederação Sindical Internacional (CSI).

"Confiando na impunidade, a multinacional está agindo com prepotência, jogando o terror sobre os trabalhadores e suas famílias", condenou Siderlei de Oliveira, presidente da Contac-CUT.

Conforme Eduardo Sodré, diretor do SindiAlimentação de Itabuna, a diferenciação de piso salarial nas diversas unidades revoltou os trabalhadores: o piso para funcionários da Nestlé na Bahia é de R$ 1.075,00, contra R$ 1.100 de Minas Gerais e R$ 1.240 de São Paulo. Segundo o Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos (Dieese), o salário mínimo necessário em maio era de R$ 3.079,31.

Uma assembleia nesta terça-feira (17) vai decidir sobre a paralisação das atividades em Itabuna.

Fonte: Contrac-CUT
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze − 6 =