TED a partir de R$ 750 vai cair na conta no mesmo dia, mas com tarifa

Os clientes de bancos poderão fazer transferências de dinheiro mais rapidamente a partir desta segunda-feira (7). Depósitos a partir de R$ 750 serão transferidos no mesmo dia. Antes, era preciso depositar pelo menos R$ 1.000 no caso de contas de bancos diferentes.

Isso será possível porque a Febraban reduziu o valor mínimo para a Transferência Eletrônica Disponível (TED) de R$ 1.000 para R$ 750.

A TED é mais rápida e faz com que o crédito entre na conta do destinatário no mesmo dia em que a transferência é solicitada. Em outras formas de movimentação financeira, como o DOC (Documento de Crédito), é preciso aguardar pelo menos um dia para a conclusão da operação.

Segundo a Febraban, os bancos estabelecem um valor mínimo para esse tipo de transferência para evitar que a TED gere uma demanda em excesso e sobrecarregue os sistemas de pagamento e de compensação das transações financeiras.

De acordo com a federação, investimentos em tecnologia na rede de comunicações entre os bancos permitiram a redução sucessiva desses limites nos últimos anos: de R$ 5.000 para R$ 3.000 em 2010, para R$ 2.000 em novembro de 2012, para R$ 1.000 em 2013, e agora para R$ 750.

Para transferências interbancárias abaixo de R$ 750, os clientes podem recorrer aos DOCs.

E a isenção das tarifas?

A Febraban informou que as tarifas cobradas para a realização de TED variam de banco para banco, conforme a política comercial de cada um. Os preços das tarifas podem ser consultados no Sistema de Divulgação de Tarifas de Serviços Financeiros da Febraban.

Para a Contraf-CUT, a Febraban perdeu uma boa oportunidade para anunciar a isenção das tarifas de transferência. "Há vários anos cobramos o fim da cobrança dos serviços de DOC e TED, como forma de evitar que clientes saquem altas quantias em dinheiro e sejam alvos de assaltantes na saída das agências", afirma o secretário de Imprensa e coordenador do Coletivo Nacional de Segurança Bancária, Ademir Wiederkehr.

"Para não pagar essas tarifas, muitos clientes sacam valores elevados e são vítimas do crime da \’saidinha de banco\’, o que poderia ser combatido com a isenção das tarifas de DOC e TED, dentre outras medidas", salienta o diretor da Contraf-CUT. "O melhor incentivo para utilização da TED é o fim da cobrança dessa tarifa".

"Vamos continuar defendendo essa reivindicação na Campanha Nacional dos Bancários 2014, como forma de prevenir esse crime que tem sido o principal responsável nos últimos anos pelas mortes em assaltos envolvendo bancos, especialmente clientes", conclui Ademir.

Fonte: Contraf-CUT com UOL
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − 5 =