Após carta contra Dilma, Santander alega que texto \”não é do banco\”

Ao tentar explicar a carta enviada em julho a clientes "Select", com renda superior a R$ 10 mil, e que dizia que uma eventual reeleição da presidente Dilma Rousseff poderia ter efeitos negativos para a economia, o presidente mundial do Santander, Emílio Botín alegou neste domingo (27), durante entrevista coletiva no Rio de Janeiro, que o texto "não é do banco", mas de um analista que o elaborou e enviou "sem consultar" seus superiores, conforme publicação de O Globo.

Botín afirmou também que a divisão brasileira do banco tomou "as medidas cabíveis", sem especificá-las. Também declarou que o presidente do Santander no Brasil, Jesús Zabalza, "já deu as explicações às autoridades e à presidente Dilma".

Para a Contraf-CUT, a explicação de Botín não convence. O Santander possui 46 diretores executivos e cada um deles receberá este ano em média R$ 5,7 milhões, conforme foi aprovado na assembleia dos acionistas do banco, ocorrida no último dia 30 de abril.

"Será que nenhum desses executivos tão bem remunerados autorizou a publicação de um texto que foi para as meninas dos olhos do Santander, que são os clientes de alta renda?", questiona Carlos Cordeiro, presidente da Contraf-CUT, que classificou a conduta do banco espanhol como terrorismo, logo após tomar conhecimento da notícia publicada na última sexta-feira (25) no blog de Fernando Rodrigues no portal UOL.

> Clique aqui para ler a reação da Contraf-CUT.

A Contraf-CUT já está providenciando uma denúncia para a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), da qual a Espanha é signatária. "O banco violou as diretrizes para empresas multinacionais", aponta Cordeiro. "É inaceitável que o banco espanhol trate assim a economia e o povo brasileiro", enfatiza.

Moção de repúdio

E na plenária final da 16ª Conferência Nacional dos Bancários, realizada no fim de semana, em Atibaia (SP), os delegados e as delegadas aprovaram por unanimidade uma moção de repúdio ao banco espanhol.

> Clique aqui para ler a íntegra do texto.

"Consideramos o gesto do banco irresponsável, não só com a economia, mas com a democracia brasileira", destaca o documento aprovado, que representa a indignação da categoria diante do terrorismo do banco espanhol. Os bancários querem que o Santander respeite o Brasil e os brasileiros.

Fonte: Contraf-CUT com O Globo e Brasil 247
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − onze =