Bancários da Caixa preparam debates para Encontro Nacional de Isonomia

Brasil afora, diversas entidades sindicais estão realizando eventos específicos para definir propostas que serão debatidas no 3º Encontro Nacional de Isonomia dos empregados da Caixa Econômica Federal, agendado para o dia 30 de agosto, em Brasília.

A realização do evento é uma deliberação do 30º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa (Conecef), ocorrido em São Paulo entre os dias 6 e 8 de junho, ocasião em que foi aprovada a pauta específica de reivindicações entregue à direção do banco na última segunda-feira (11).

A discussão nacional sobre isonomia contará com a participação de dois deputados federais: Daniel Almeida (PCdoB/BA) e Erika Kokay (PT/DF). Esse, aliás, será o terceiro encontro nacional realizado pelos empregados da Caixa.

Um dos objetivos é definir ações conjuntas rumo à conquista de uma só Caixa para todos os empregados. A luta, portanto, é para que todos os bancários que ingressaram no banco após 1998 tenham direito ao Adicional por Tempo de Serviço (ATS) e à licença-prêmio.

A retirada desses benefícios foi resultado dos ataques neoliberais do governo FHC, que visavam a privatização de instituições financeiras públicas. Nessa época na Caixa foram criados dois segmentos de trabalhadores com direitos diferenciados para quem entrou antes e após 1998.

De 2003 para cá, porém, lutas e greves garantiram conquistas em demandas como Apips, parcelamento do adiantamento de férias, Saúde Caixa, Novo Plano da Funcef e unificação do Plano de Cargos e Salários (PCS). Faltam, agora, ATS e licença-prêmio.

A luta pela igualdade de direitos entre novos e antigos empregados prevê que a licença-prêmio corresponda a 18 dias de folga por ano, enquanto o ATS, também chamado anuênio, precisa garantir o reajuste de 1% no salário por ano, acumulável até atingir o teto de 30%.

Atualmente, projeto com este objetivo está em tramitação no Congresso Nacional (PL 6.295/2005), visando estabelecer a isonomia de direitos não apenas aos trabalhadores da Caixa, mas também entre os bancários do Banco do Brasil, Banco do Nordeste do Brasil (BNB) e Banco da Amazônia.

A coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa), Fabiana Matheus, esclarece que o Encontro Nacional de Isonomia tem a finalidade de debater propostas de mobilização para acabar de vez com essa desigualdade na Caixa. Ela também é diretora de Administração e Finanças da Fenae.

Orientações para debates estaduais/regionais

Documento divulgado pela Contraf-CUT, com orientações para as entidades sindicais, prevê que os delegados ao 3º Encontro Nacional de Isonomia sejam eleitos nos debates estaduais/regionais, que devem ocorrer até o dia 23. O tamanho máximo das delegações respeitou a proporção de um terço dos limites do 30º Conecef, garantindo pelo menos uma vaga por estado. Os membros da CEE/Caixa serão delegados natos.

O envio dos relatórios dos encontros estaduais/regionais, com utilização de formulário próprio já disponibilizado pela Contraf-CUT, deve ser feito até o dia 27. Esse também é o prazo para encaminhar os dados dos delegados eleitos (nome, matrícula e entidade).

O credenciamento será feito no dia do evento, a partir das 8h. Quanto à alimentação, os participantes da plenária nacional terão direito a almoço, servido também no local. Será oferecido ainda um espaço para recreação, onde os delegados poderão deixar os filhos.

Fonte: Contraf-CUT com Fenae
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × três =