Empregados da Caixa cobram contratações para combater sobrecarga

A Caixa chegou aos 100 mil empregados. A marca foi alcançada com a contratação de Luana Brayn Farias, chamada para se apresentar às vésperas de completar 29 anos, no dia 11 de setembro. Ela, que vai integrar a equipe da Agência Portugal, em Ribeirão Preto (SP), é formada em Ciências Contábeis e mora atualmente em Cravinhos, município localizado a 24 quilômetros da cidade onde vai trabalhar.

Apesar do número histórico, Fabiana Matheus, coordenadora da Comissão Executiva dos Empregados (CEE/Caixa), que assessora a Contraf-CUT nas negociações com o banco, lembra que as contratações não acompanham o ritmo de abertura de novas agências e postos de atendimento.

"As convocações não têm sido suficientes para atender o aumento da demanda e do volume de operações. Ela precisa de mais pessoal para continuar crescendo e cumprindo seu papel de banco público, executando políticas públicas e alavancando o desenvolvimento econômico e social do país", afirma.

Entre 2002 e 2013, o total de unidades do banco passou de 2.082 para 4.012, alta de 92,7%. O número de empregados aumentou 76%, de 55.778 para 98.198. No mesmo período, em valores corrigidos a dezembro último, o lucro líquido saltou de R$ 2 bilhões para R$ 6,7 bilhões (+235%), enquanto a base de clientes passou de 23,1 milhões para 71,7 milhões (+210%). Em 2009, na média, eram 31,7 efetivos por unidade. No ano passado, apenas 24,5. Hoje, são 17 por agência, abaixo do número de outros bancos. "Mas essa é uma média. Há unidades funcionando com menos de sete empregados", diz Fabiana Matheus.

Categoria cobra contratações

No quesito contratação, entre os itens da pauta de reivindicações específicas da Campanha 2014, destacam-se: quantidade mínima de 130 mil empregados até o final deste ano, exigindo da Caixa a apresentação da metodologia utilizada para convocações; mais empregados por setor; pelo menos 20 trabalhadores por agência; e contratação permanente para reposição de aposentados, demitidos e afastados.

As negociações, porém, não avançaram nas quatro rodadas realizadas até agora. A empresa manteve a posição intransigente ao não reconhecer a existência de problemas como sobrecarga de trabalho e ao continuar com a metodologia atual para definir o quantitativo de empregados para abertura de novas agências.

Na reunião do último dia 9, inclusive, Dionísio Reis, diretor do Sindicato dos Bancários de São Paulo, Osasco e Região, entregou abaixo-assinados de clientes que reivindicam mais contratações.

"É importante salientar que houve um avanço na política de pessoal da Caixa a partir de 2003. De lá pra cá, graças à mobilização da categoria e ao fortalecimento da empresa, foram mais de 40 mil efetivados. Mas a luta continua, pois o dia a dia nas unidades mostra que precisamos avançar muito mais. E só vamos conseguir isso com a união e a participação de todos nós", observa o presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira.

Mobilização nas redes sociais

Na última quinta-feira (18), aprovados no concurso realizado esse ano realizaram mobilização nas redes sociais Twitter e Facebook. Com a hashtag #chamacaixaaprovados2014, cobraram celeridade nas convocações. Apenas no Twitter, já foram mais de 40 mil posts sobre o assunto. "Convocações já", "Vamos acabar com as filas", "a Caixa precisa de funcionários", dizem algumas das postagens. Outra mobilização já está marcada para esta terça-feira (23).

Em nota divulgada na sexta-feira (19), a Caixa alegou que o concurso de 2014 visou à composição de cadastro de reserva e que a contratação de aprovados decorrerá do surgimento de vagas no período de validade do concurso. "Como as vagas surgem em razão de transferências ou desligamentos, não é possível prever data para que as contratações ocorram", explicou o texto.

As provas do concurso desse ano foram aplicadas no dia 30 de março, em todo o país, e o resultado foi homologado em 16 de junho. O concurso tem validade de um ano, podendo ser prorrogado por igual período, a critério do banco. Foram mais de 1,1 milhão de inscritos para o cargo de Técnico Bancário Novo (nível médio) e quase 20 mil para os cargos de nível superior.

Fonte: Fenae.net
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

onze + 9 =