A retomada da proteção do trabalho

Se nos anos de 1970 havia quase a metade dos ocupados protegidos pela CLT, em 1940 registrava-se somente um trabalhador protegido a cada grupo de dez ocupados. Depois de 1980, contudo, o grau de proteção dos ocupados estancou, sofrendo profundo retrocesso.

A regressão na tendência de proteção social e trabalhista coincidiu justamente com a adoção de medidas de flexibilização laboral levadas adiante pelas políticas neoliberais dos anos de 1990. Nos últimos 12 anos, com o gradual abandono do projeto liberalizante, o grau de cobertura da população social e trabalhista retomou a tendência de expansão, permitindo atender dois ocupados a cada de três trabalhadores.

Na faixa de rendimento de até um salário mínimo mensal, que responde por quase 40% do total dos ocupados, há somente dois a cada dez vinculados ao sistema de proteção social e trabalhista. Já na faixa de remuneração dos ocupados com dez salários mínimos mensais e mais, 80% dos postos de trabalho estão protegidos no Brasil.

Além disso, percebe-se que no segmento dos trabalhadores por conta própria a proteção pelo sistema de proteção social e trabalhista era bem menor. Entre os trabalhadores por conta própria, destaca-se a presença do sexo masculino (67%), de pessoas com idade acima dos 40 anos de idade (56%), de trabalhadores com nível de escolaridade de até o ensino básico (61%), de mão de obra não branca (51%) e de receptores de rendimento mensal de até 1,5 salário mínimo (59%).

Diante da diversidade de situações possíveis por conta das ocupações não assalariadas distantes do sistema de proteção social e trabalhista do país passou a ganhar importância a implementação da nova legislação que trata do Microempreendedor Individual (MEI). Com o rebaixamento e unificação dos tributos, o trabalhador por conta própria foi beneficiado pela regulamentação do microempreendedor individual.

O resultado disso foi o avanço da formalização do negócio próprio, com o acesso bancário e a produtos e serviços de créditos, além dos benefícios previdenciários como a pensão por morte, o salário maternidade e a aposentadoria por idade. Em síntese, a expressão da política pública voltada à ampliação da cobertura social e trabalhista para quase outros 20% das ocupações do país.

A política nacional de inclusão pelo trabalho do microempreendedor assume maior relevância na medida em que os poderes públicos federal, estadual e municipal atuem de forma conjunta e coordenada. O apoio ao desenvolvimento de micro e pequenos negócios no Brasil vem sendo acompanhado por recursos direcionados ao desenvolvimento tecnológico, creditício e assistência técnica.

Dessa forma, as políticas públicas dos últimos 12 anos têm contribuído para que o trabalho seja cada vez mais alcançado pelo sistema de proteção social e trabalhista.

*Marcio Pochmann é professor do Instituto de Economia e pesquisador do Centro de Estudos Sindicais e de Economia do Trabalho da Universidade Estadual de Campinas

Fonte: Rede Brasil Atual

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − 4 =