Bancários rumam à mais longa greve da categoria

Após 25 dias de greve a Campanha Salarial dos Bancários ainda continua sem resultados efetivos nas negociações. Na base do Sindicato dos Bancários de Caxias do Sul e Região são 56 agências paralisadas, sendo 50 em Caxias do Sul e as demais nas cidades de São Marcos, Flores da Cunha, Gramado, Canela, Veranópolis e Farroupilha.

Já ocorreram nove rodadas de negociação com a Fenaban e intransigência dos bancos continua a cada reunião. Na última quarta-feira, os bancos apresentaram ao Comando Nacional uma proposta de acordo válida para dois anos com reajuste de 7% para 2016 e abono de R$ 3.500. Para 2017 o aumento seria de 0,5% acima da inflação. A proposta foi rejeitada na mesa de negociação pelo Comando porque o reajuste ficou abaixo da inflação e não houve qualquer avanço quanto às reivindicações relacionadas aos temas emprego, saúde e condições de trabalho, que também são prioritários para os bancários.

“A culpa da greve é dos banqueiros, que se recusam a negociar e a apresentar uma proposta decente de reajuste à toda a categoria”, disse o coordenador da Secretaria de Organização Sindical do Sindicato dos Bancários de Caxias do Sul e Região, Nelso Bebber. “Nós, bancários, somos trabalhadores e estamos reivindicando o que nos é justo. Os bancos continuam ganhando bilhões às custas dos seus trabalhadores e da população e continuam se negando a garantir até mesmo a inflação do último ano”, ressaltou Bebber.

Além das rodadas infrutíferas com a Fenaban, as direções da Caixa e do Banco do Brasil ainda não chamaram o movimento sindical para discutir as pautas específicas destes bancos, gerando indignação entre os grevistas dos dois segmentos. Já o Banrisul, chamou apenas uma reunião de negociação, realizada na Fetrafi-RS no dia 2 de setembro, sem apresentar qualquer proposta concreta além de dizer que irá seguir o que for acordado na mesa geral com a Fenaban.

Maior greve desde 2004

A Campanha Salarial deste ano registra o maior número de dias parados desde 2004, quando a categoria cruzou os braços por 28 dias até fechar o acordo com os banqueiros.

Reunidos em assembleia, no final da tarde desta segunda-feira, os bancários de Caxias do Sul debateram os rumos do movimento e as novas estratégias para forçar a Fenaban a apresentar uma proposta que contemple, no mínimo, a inflação do período.

“Essa ação de intransigência frente às reivindicações dos trabalhadores não é uma surpresa. São os banqueiros que ajudaram a articular muitas das propostas que estão no congresso nacional e que visam a retirada de direitos dos trabalhadores. Eles estão por trás do PL 4330 (da terceirização), que foi aprovada na Câmara e agora tramita com outro nome no Senado. Outros ataques estão sendo articulados e sabemos que só com a luta dos trabalhadores é possível enfrentar estes ataques. Temos o congresso nacional mais conservador eleito em 2014, temos uma presidente eleita que foi retirada do cargo através de um golpe. Precisamos estar atentos contra estes ataques”, ressaltou o sindicalista.

 

Assessoria de Imprensa Seeb Caxias do Sul e Região

Foto: Marlei Ferreira – Mtb 8542

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

4 × três =