Representação dos funcionários do BB esperam diálogo com nova diretoria da Cassi

Entidades representativas foram as responsáveis por negociar proposta que resultou na injeção de recursos na caixa de assistência e cobram a volta da coparticipação aos patamares de 2018

 

A nova diretoria e os novos conselhos deliberativo e fiscal da Cassi tomaram posse em 1º de junho. As entidades representativas dos funcionários foram convidadas e participaram da cerimônia, já que cabe a elas e aos conselhos de usuários defenderem os associados e o patrimônio da Cassi.

A nova direção é composta por Carlos Emílio Flesch (Diretoria de Planos de Saúde e Relacionamento com Clientes); Jair Antônio Pegorim Miller e Rejane Aparecida Rodrigues Zanello (Conselho Deliberativo); e Hamilton Omar Biscalquini e Antônio Roberto Andretta (Conselho Fiscal).

“O Sindicato entende que a renovação da direção da Cassi é uma oportunidade para que sejam retomadas negociações sobre demandas permanentes”, afirmou o coordenador da Comissão de Empresa dos Funcionários do Banco do Brasil (CEBB), João Fukunaga.

Através da Contraf-CUT, as entidades representativas dos funcionários do Banco do Brasil ANABB, AAFBB, FAABB, Conselhos de Usuários da CASSI e Afabb-SP protocolaram ofício cobrando a volta da coparticipação nos mesmo patamares de 2018.

Em meados de 2018, a Cassi promoveu o aumento dos percentuais de coparticipação para o Plano de Associados. Consultas, sessões psicoterápicas, acupuntura e visita domiciliar passaram de 30% para 40%. Diagnose e terapias – de 10% para 20%.

“Os aumentos penalizam os funcionários com menores salários e o banco não aceita contribuir com nenhum tostão. Portanto, no mínimo, a empresa deveria dar alguma contrapartida pelos aumentos dos associados, como a injeção de mais recursos para sustentabilidade da Cassi”, afirmou Fukunaga.

A situação financeira da caixa de assistência está equilibrada devido as negociações com as entidades representativas dos funcionários, o que resultou na proposta de injeção de recursos aprovada pelo corpo social.

“Nós esperamos bons resultados da nova direção, sem qualquer tipo de surpresas que possam afetar negativamente o corpo social, como por exemplo, a tentativa de implantar um novo plano de custeio, ideia já cogitada por Luiz Satoru, uma vez que há recomposição de receitas proveniente daquilo que foi negociado pelas entidades representativas”, enfatizou Fukunaga.

“Ou seja, em janeiro deste ano entrou dinheiro na Cassi, que agora se encontra com recursos em caixa. Portanto, as coparticipações nos procedimentos médicos, consultas e exames podem voltar aos patamares anteriores, e vamos cobrar esta demanda”, concluiu o dirigente.

 

Fonte: Contraf-CUT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois + 15 =