Fenaban propõe acordo para dois anos com reajustes e sem retirar direitos

Bancos querem abono de R$ 2 mil e reajuste de 1,5% este ano; para 2021, proposta é correção da inflação e aumento de 0,5%

A Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) apresentou nesta sexta-feira (28) ao Comando Nacional d@s Bancári@s uma proposta de reajuste salarial de 1,5% este ano, mais um abono de R$ 2 mil. Para 2021, os bancos propõem reajuste da inflação e ganho real de salário de 0,5%. Verbas como vale refeição, vale alimentação, auxílio 13ª cesta alimentação, auxílio creche, auxílio babá e outros. Na PLR os valores serão corrigidos este ano pela variação da inflação pelo INPC. Para 2021, a PLR será corrigida pelo INPC, mais aumento de 0,5%. Todos os direitos da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT) foram garantidos, assim como a PLR.

“É uma proposta que chegou ao limite em uma negociação com as limitações da pandemia, da crise econômica. Mesmo assim, mantém direitos e ainda tem um aumento real no ano que vem”, avaliou a presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Juvandia Moreira. De fato, a conjuntura não é das mais favoráveis.

Outras categorias

Nas negociações com seus funcionários que ocorrem simultaneamente à d@s bancári@s, a Petrobras propôs acordo de dois anos, sem reajuste agora e correção pelo INPC apenas em 2021. Os sindicatos da categoria defendem o acordo com a empresa.

Outra categoria com negociações de âmbito nacional, a dos trabalhadores dos Correios será julgada no Tribunal Superior do Trabalho (TST). A empresa não apresentou proposta de reajuste salarial, excluiu 70 cláusulas do acordo coletivo, entre elas, licença-maternidade de 180 dias, pagamento de adicional noturno, horas extras, indenização por morte. Também foi retirado o auxílio para filhos com necessidades especiais.

Outro fator conjuntural que influencia nas negociações é o fato de a categoria bancárias estar parcialmente isolada por causa da pandemia. Cerca de 60% d@s bancári@s estão em regime de teletrabalho.

Manutenção de direitos

Em uma conjuntura de crise econômica, de pandemia e com um governo que ataca a todo tempo os direitos dos trabalhadores, o Comando Nacional conseguiu a manutenção de todos os direitos da CCT e obteve avanços no reajuste da inflação, com um acordo de dois anos que garante aumento real de 0,5% para 2021.

A proposta da Fenaban reajusta a inflação este ano pelo índice do INPC as verbas do auxílio refeição; auxílio cesta alimentação; 13ª cesta alimentação; auxílio Creche e auxílio babá, auxílio filhos com deficiência, auxílio funeral e verba de requalificação profissional. Também será reajustada pelo INPC este ano a PLR.

Também para este ano haverá um reajuste de 1,5% nos salários; salários de Ingresso; gratificação de caixa, outras verbas de caixa; menor remuneração – Caixa/Tesoureiro; adicional por tempo de serviço; gratificação do compensador de cheques; ajuda para deslocamento noturno; indenização por morte ou incapacidade permanente decorrente de assalto e multa por descumprimento da convenção coletiva.

Reajuste de 1,5% + abono

De reajuste zero, passamos à proposta atual, de reajuste de 1,5% nos salários + abono de R$ 2.000,00 para todos em 2020, que significaria reposição ou ganho em 12 meses para salários de até 11.202,80, o que representa 79,1% do total de bancários. Pela proposta, os vales e auxílios seriam reajustado pelo INPC em 2020. Para 2021, de um reajuste parcelado (70% em setembro e 30% em março de 2022), passamos ao reajuste em setembro de 100% do INPC, mais 0,5% de aumento real, tanto nos salários quanto nas demais cláusulas econômicas.

Teletrabalho

Questões importantes ainda precisam ser definidas. O comando vai acertar com a Fenaban a incorporação de aditivos como o da violência doméstica e o sobre o teletrabalho, onde precisam ser definidas questões como ressarcimento de custos com internet, equipamentos, verba para comprar móveis e a definição do controle da jornada.

Nas negociações do Comando Nacional d@s Bancári@s, a Fenaban foi gradativamente evoluindo suas propostas. Se inicialmente os representantes dos bancos propunham reajuste zero, passram a dar um reajuste para 2020 que mantém um ganho médio acima da variação da inflação neste ano e em 2021 corrige pelo INPS mais aumento real de 0,5%. Os bancos tentaram eliminar dirietos da categoria conquistados durante anos e aceitaram, ao fim, manter todas as cláusulas da CCT por dois anos .

Categoria unida

“Para a manutenção dos direitos e reajustes salariais, foi fundamental a unidade da categoria nessa campanha. Fizemos assembleias por plataformas digitais em reuniões bem representativas, realizamos atos, carreatas, ações nas redes sociais. Em uma conjuntura desfavorável, manter os direitos e avançarmos nas clausulas econômicas foi bastante positivo”, avaliou Juvandia Moreira.

As negociações também prosseguem nas mesas específicas do Banco do Brasil, Caixa Econômica Federal e outros bancos públicos, importantes diante dos ataques do atual governo contra as empresas públicas. Após as definições das mesas dos bancos públicos é que serão marcadas as assembleias para avaliar a proposta da Fenaban. Acompanhe as negociações e as assembleias pelas nossas redes sociais.

twitter.com/Contraf_CUT

facebook.com/contrafcut/

instagram.com/contraf_cut/

Fonte: Contraf-CUT

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × três =