Privatização leva à apagão no Amapá

Empresa espanhola não tem capacidade técnica para solucionar o problema e estatal é acionada

 

O drama das mais de 700 mil pessoas, em 13 dos 16 municípios do estado do Amapá, completa uma semana nesta terça-feira (10). Eles estão sem energia, água e combustíveis desde a noite de terça-feira (3), quando a subestação de energia que pegou fogo por volta das 20h40, na capital Macapá, levou ao desligamento automático da linha de transmissão.

A empresa responsável pelo serviço é a espanhola Isolux, grupo multinacional que controla a linha de transmissão de 500 kv Tucuruí-Macapá-Manaus, que liga o Amazonas, o Amapá e oeste do Pará à Usina Hidrelétrica de Tucuruí desde em 2015, mas não consegue trocar o transformador que pegou fogo porque não tem nem um gerador substituto, nem peças de reposição.

Por isso, pediu socorro para os trabalhadores da Eletrobras, estatal brasileira que está correndo risco de também ser privatizada pelo governo federal. “Este governo só pensa em privatizar. Mas, este caso, mostra como o modelo não funciona. As empresas que compram, só pensam nos lucros, demitem técnicos experientes e contratam pessoal com menos qualificação para pagar menos. Além de reduzir o quadro de pessoal”, afirmou Juvandia Moreira, presidenta da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT).

“Já estamos cansados de alertar para isso. Os governos que defendem as privatizações deixam de investir nos serviços públicos para afetar a imagem das empresas estatais e conquistar apoio popular para a venda. O resultado é a precarização das condições de trabalho dos funcionários e a consequente queda na qualidade dos serviços prestados à população. Não podemos deixar isso acontecer”, completou Juvandia.

Segundo o diretor do Sindicato dos Urbanitários do Maranhão (STIU/MA), Wellington Diniz, o que acontece no Amapá pode acontecer em outros lugares. “Bolsonaro e ministro das Minas e Energia, Bento Albuquerque, vêm dizendo que a Eletrobras não tem capacidade de investimento, e apostam na privatização, só que na hora em que acontece um acidente como este são os técnicos da Eletrobras que são convocados para prestarem socorro à empresa internacional porque ela não tem capacidade para resolver o problema”, alerta Wellington, que também é funcionário da Eletronorte, do holding Eletrobras.

O presidente do Sindicato dos Ubanitários do Amapá (STIU-AP), Jedilson Santa Bárbara de Oliveira, critica ainda o desmonte da Eletronorte no estado. Segundo ele, a empresa tinha no estado do Amapá, 220 trabalhadores em 2007, mas com a sanha privatista de Michel Temer (MDB-SP), hoje conta com apenas 110 trabalhadores.

“Oito técnicos da Eletrobras de outros estados que estão ajudando nos reparos são considerados dispensáveis pela empresa por terem muito tempo de casa e estão prestes a se aposentar. A empresa quer incentivar a demissão de trabalhadores experientes por meio de PDVs, mas na hora que mais precisa, são eles que são chamados. As mil demissões que a Eletrobras quer fazer são para baratear os custos para privatizar e entregar ao capital internacional mais uma empresa brasileira superavitária. A Eletrobras teve um lucro no último ano de R$ 20 bilhões” , denuncia Jedilson.

Entidades sindicais pedem ação do governo federal no Amapá

A Central Única dos Trabalhadores (CUT), a Confederação Nacional dos Urbanitários (CNU), a Federação Nacional dos Urbanitários (FNU) e o Sindicato dos Urbanitários do Amapá (Stiu-AP) divulgaram nota pública neste sábado (7) cobrando da Aneel um posicionamento “firme” sobre o apagão no Amapá, repudiando “a tentativa do governo federal de minimizar” o episódio.

As entidades também destacaram o papel do sistema estatal de energia para solucionar o caso. “Cabe ressaltar que a Eletronorte, empresa estatal do Sistema Eletrobras, foi acionada para ajudar o restabelecimento da energia no Amapá, o que não seria possível se o governo levar adiante o plano de privatizar a Eletrobras”, diz o documento.

“A CUT, CNU, FNU e Stiu-AP também prestam solidariedade ao povo do Amapá nesse momento de extrema dificuldade, sem energia elétrica, sem água e com um agravante ainda maior: em plena pandemia da Covid-19”, conclui a nota.

 

Fonte: Contraf-CUT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

vinte + 14 =