Mesa de negociação com a Caixa será no dia 11 de maio

Além de cobrar o pagamento correto da PLR Social, vacina para todos e avanços nos protocolos de prevenção contra Covid-19, a CEE/Caixa vai discutir o dia de paralisação dos empregados, que aconteceu no dia 27 de abril

 

Na próxima terça-feira (11), às 10h, acontece a Mesa Permanente de Negociação entre a Comissão Executiva dos Empregados (CEE) da Caixa e a direção do banco. Entre os assuntos da pauta a serem discutidos estão o pagamento correto da Participação nos Lucros e/ou Resultados (PLR), lançamento do desconto no dia de paralisação, vacina contra Covid-19 e por mais contratações.

Segundo a coordenadora da CEE/Caixa, Fabiana Uehara Proscholdt, essa reunião depois da paralisação dos empregados que aconteceu no dia 27 de abril será importantíssima. “São muitas questões a serem tratadas. Existem assuntos que estão pendentes de outras mesas de negociação, como o pagamento da PLR Social, e esperamos a resposta da direção do banco. Também vamos discutir a orientação da direção do banco para que os empregados homologassem o dia de paralisação como falta injustificada. É um desrespeito ao nosso direito de greve.”

O integrante da CEE/Caixa e diretor do Sindicato dos Bancários do ABC Paulista, Jorge Furlan, ressaltou que o dia de paralisação foi confirmado por decisão judicial após a Caixa ingressar com pedido de Tutela Cautelar Antecedente no Tribunal Superior do Trabalho (TST). “A direção da Caixa alegou que a paralisação era abusiva, mas o ministro do TST [Maurício José Godinho] indeferiu o pedido, garantindo o direito de greve aos trabalhadores.”

Veja a pauta encaminhada ao banco pela CEE/Caixa

  • PLR Social;
  • Dia de paralisação 27/Abr;
  • Dotação e pagamento de Hora Extra;
  • Protocolos Covid-19;
  • Alteração nos normativos;
  • Objetivos Smart da VIRED;
  • Reestruturação;
  • Não exposição de “Nome e Sobrenome” de funcionário em SMS de avaliação de atendimento;
  • Inibir que empregados atuem fora da agência (após a porta giratória);
  • Debate CR444 (PQV);
  • Lives durante horário de atendimento;
  • PSIs (transparência);
  • Canal de denúncias de violência doméstica às empregadas;
  • Sindicalização;
  • Promoção por mérito;
  • Contratações;
  • Acordo de Teletrabalho e Banco de Horas.

Fonte: Contraf-CUT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

19 − quatro =