Dia dos bancos mostrarem a proposta

Dia 5 tem negociação e os bancos vão apresentar proposta. Essa será a quarta rodada, quase um mês depois de iniciados os debates entre o Comando Nacional dos Bancários e a federação dos bancos (Fenaban), que já sabe: a Campanha Nacional Unificada 2013 só se resolve com melhores condições de trabalho, fim da pressão por metas, mais empregos, aumento real, PLR, piso e vales valorizados. O cenário para o setor é bastante favorável.

A primeira mesa, nos dias 8 e 9 de agosto, discutiu saúde, condições de trabalho e segurança. Nos dias 15 e 16 foi a vez de tratar de emprego e igualdade de oportunidades. Remuneração foi o tema dos dias 26 e 27.

Condições de Trabalho – Foi assim com a questão da saúde. Dados do INSS comprovaram o grave quadro vivido pelos bancários: em 2012 foram mais de 21 mil afastamentos. Desses, 25,7% por doenças como depressão, síndrome do pânico, transtornos mentais relacionados à pressão e insegurança nas agências. Outros 27% por doenças como LER/Dort, ligadas ao ritmo estressante e à sobrecarga de trabalho.

Para os bancos, a pressão por metas não adoece. “Se não aceitam nossas propostas, que apresentem o que vão fazer para que as metas não sejam mais indutoras de sofrimento e adoecimento na categoria”, ressalta Juvandia.

Emprego – Se em 1990 havia mais de 730 mil bancários no país, atualmente são cerca de 500 mil, para atender demanda crescente. São mais de 10 mil postos de trabalho extintos pelos bancos privados (junho de 2012 a junho de 2013).

Remuneração – Números dos balanços das seis maiores instituições do Brasil (BB, Caixa, Itaú, Bradesco, Santander e HSBC) reforçam: os trabalhadores são os principais responsáveis pelos resultados do setor. E querem sua parte.

Comparados os primeiros seis meses deste ano com o mesmo período de 2012, o lucro por trabalhador subiu 19,4%, cada bancário ampliou em 13,6% a receita com tarifas e em 19,8% a carteira de crédito. Mas caiu em 5% o número de funcionários por agência.

Discutir metas – Está claro: a Campanha 2013 não se resolve sem solução para a pressão por metas que tanto adoece a categoria.

A resposta dos representantes dos bancos foi “não” para praticamente tudo que pode melhorar as condições de trabalho: abono assiduidade, plano de saúde para aposentados, e afirmaram que as metas são próprias da gestão de cada banco. A Fenaban apresentou proposta de criação de um grupo de trabalho para discutir afastamentos por doença. O Comando exigiu que o GT comece já e que tenha prazo para acabar e para apresentar soluções.

Eles estão podendo – Os bancos não só podem atender às reivindicações de remuneração, mas também estão economizando às custas da categoria.

Um exemplo é a distribuição do valor adicionado (DVA, que são todas as receitas dos bancos, já subtraídas as despesas). É o "PIB" das instituições financeiras, que é distribuído entre acionistas (dividendos), governo (impostos) e trabalhadores (remuneração, vales, FGTS etc.).

Se antes os bancários ficavam com 50,1% do DVA (entre 1999 a 2005), essa média caiu para 37,1% entre 2006 e 2012. Por outro lado os acionistas estão ficando com mais: a média era 25,9% (1999 a 2005), e passou para 39,6% (2006 e 2012). A parcela do governo manteve-se estável (24% e 23,4%, nos mesmos períodos). Isso significa que os bancários trabalham para os acionistas ganharem mais.

E tem mais: só com o que arrecadam em serviços e tarifas, os bancos cobrem toda a folha de pessoal e ainda sobra. No Itaú, essa relação é de 170%, no Santander é de 156% e no Bradesco, 150%.

Mesmo assim, os banqueiros disseram “não” ou foram evasivos em quase todas as reivindicações.

Contratar mais – Os bancos estão reduzindo postos de trabalho num cenário de ampliação do número de contas correntes e de operações de crédito. Ou seja, mais trabalho e menos funcionários, o que resulta em sobrecarga e adoecimento da categoria.

Em 12 meses, os cinco maiores bancos do país (Itaú, Bradesco, Santander, HSBC e BB) fecharam exatos 11.254 postos de trabalho. Por outro lado, os mesmos cinco bancos lucraram R$ 26,5 bi no primeiro semestre de 2013, aumento de 19,2% em relação ao mesmo período de 2012.

O Comando Nacional cobra: o fim da extrapolação da jornada e que os bancos contratem mais para melhorar as condições de trabalho dos bancários.

Preservação da vida – Os bancários reivindicam custeio de gastos com medicamentos para vítimas de assaltos ou sequestros, mas os bancos chegaram ao cúmulo de sugerir que os trabalhadores busquem reparos a eventuais danos na Justiça.

Também disseram “não” à reivindicação de que bancários não portem mais chaves de cofres ou agências, apesar do risco que isso representa ao trabalhador.

O Comando deixou claro que segurança é preservação da vida de trabalhadores e clientes e apontou: os bancos investem parcela cada vez menor de seu lucro nessa área, segundo dados dos seus balanços.

Ambiente desigual – Pela primeira vez os representantes dos bancos admitiram na mesa de negociação que falta igualdade de gênero, raça e para pessoas com deficiência (PCDs). Mesmo assim não houve retorno positivo em relação à contratação de pelo menos 20% de afrodescentes, pois se disseram contra as cotas. Os bancários ressaltaram que elas corrigem dívidas históricas.

O Comando voltou a cobrar a ampliação da licença-paternidade. Os bancos, no entanto, querem que o assunto seja discutido em mesa temática.

Principais reivindicações da Campanha Salarial 2013:

• Reajuste de 11,93%, 5% de aumento real e a inflação do período.

• PLR: três salários mais R$ 5.553,15.

• Piso: R$ 2.860,21 (salário mínimo do Dieese).

• Vales alimentação, refeição, 13ª cesta e auxílio-creche/babá: R$ 678 ao mês para cada (salário mínimo nacional).

• Melhores condições de trabalho, com o fim das metas abusivas e do assédio moral que adoece os bancários.

• Emprego: fim das demissões, mais contratações, aumento da inclusão bancária, combate às terceirizações, especialmente ao PL 4330 que precariza as condições de

trabalho, além da aprovação da Convenção 158 da OIT, que proíbe as dispensas imotivadas.

• Plano de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) para todos os bancários.

• Auxílio-educação: pagamento para graduação e pós-graduação.

• Prevenção contra assaltos e sequestros, com o fim da guarda das chaves de cofres e agências por bancários.

• Igualdade de oportunidades para bancários e bancárias, com a contratação de pelo menos 20% de trabalhadores afro-descendentes.

 

Fonte: SeebSP/Fetrafi com edição Bancax

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − 5 =