Bancários protestam contra excesso de trabalho no HSBC em Porto Alegre

Os bancários paralisaram a agência do HSBC na Avenida Protásio Alves na manhã desta terça-feira (6), em Porto Alegre. A falta de trabalhadores em número suficiente para atender os clientes que lotam a agência levou a denúncias de precariedade da prestação de serviço. Decorre daí outra questão fundamental. Indignados, os clientes costumam culpar os bancários.

Diretores do SindBancários conversaram com os trabalhadores e demonstraram aos clientes que os funcionários estavam trabalhando além de sua capacidade física com riscos à saúde, porque o banco não havia lucrado, demitia e fechava agências.

Foi exatamente o que ocorreu no último mês. O volume de trabalho na agência da Protásio cresceu por conta do fechamento de outra agência do HSBC na Avenida Bento Gonçalves.

Sem investir no bancário, o HSBC passou pelo constrangimento de ficar com as portas fechadas na hora de iniciar o atendimento ao público. Enquanto a abertura da agência era atrasada, dirigentes do SindBancários explicaram a quem precisava ser atendido que os bancários e bancárias daquela agência não tinham culpa de nada e que estavam trabalhando além de sua capacidade.

"Houve uma migração muito grande de clientes aposentados da agência da Bento Gonçalves para a agência Protásio Alves. O banco não aumentou o número de trabalhadores. O resultado é esse constrangimento de clientes denunciarem para o Sindicato que a agência fica cheia, com até mais de 30 pessoas esperando atendimento depois das 17h", disse o diretor do SindBancários, Ernesto dos Santos.

Segundo o diretor do SindBancários, Sandro Rodrigues, a ida até a agência teve o objetivo de prestar esclarecimentos sobre os direitos dos bancários e mostrar aos clientes do banco que os trabalhadores estão ficando doentes por causa do excesso de trabalho. "Fomos esclarecer aos trabalhadores todas as questões que envolvem excesso de trabalho e prejuízo à saúde, além de direitos assegurados em lei que proíbem horários excessivos de atendimento", explicou Sandro.

Desde o final do ano passado, o SindBancários tem atuado no sentido de garantir que os direitos dos trabalhadores sejam preservados e pelo fim das demissões que o HSBC tem intensificado em todo o país. Para se ter uma ideia, em 23 de abril, o SindBancários, junto com a Contraf-CUT, participou do Dia Nacional de Lutas contras as demissões no HSBC.

"O que temos deixado claro para diretoria do banco aqui no Brasil é que não entendemos como o HSBC não conseguiu lucrar numa economia estável como a do Brasil, enquanto todos os grandes bancos crescem. Temos certeza que os trabalhadores não têm nada a ver com essa situação", disse o diretor jurídico do SindBancários e funcionário do HSBC, Lúcio Mauro Paz.

Fonte: Contraf-CUT com Seeb Porto Alegre
 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − 1 =