Agência assaltada sofreu outros dois ataques em 2009

Tudo indicava que seria mais um dia pacato na pequena Amaral Ferrador, no sul do Estado. O assalto à agência do Banrisul do município, no entanto, mudou a rotina dos mais de 6,3 mil habitantes, que jáviveram outros dois ataques traumáticos à mesma agência em 2009.

Esse é o período do ano que a cidade tem maior movimentação financeira e chama a atenção das quadrilhas. Isso porque começa a época de colheita do fumo, principal atividade econômica do município. Muitos agricultores vão até a "cidade” para fazer depósitos de grandes quantias, ou mesmo retirar dinheiro para a compra de insumos para a próxima safra.

A auxiliar-administrativo Deise de Lima, 21 anos, foi testemunha dos três assaltos. Em 2009, ela estudava na escola que fica em frente ao banco. Agora, viu da mesa de trabalho toda a movimentação dos bandidos.

– Hoje eles foram menos agressivos. Nas outras vezes bateram no pessoal, atiraram em um ônibus e ameaçaram matar quem estava na rua – lembra Deise.

No ataque desta quinta-feira,oito assaltantes encapuzados e portando armas desceram de dois veículos e invadiram a agência bancária por volta das 11h. Em poucos minutos, saíram do local fazendo funcionários e clientes reféns. A gerência não revelou a quantia roubada.

Na fuga, eles atiraram contra o prédio e largaram miguelitos no asfalto. As seis vítimas, usadas como escudo humano, foram libertadas conforme os bandidos se afastavam da cidade. Ninguém ficou ferido. Durante a perseguição, policiais abordaram um dos veículos usados na ação e houve troca de tiros, mas o grupo conseguiu fugir em direção a localidade de Coxilha.

De acordo com Vladimir Urach, delegado regional de Camaquã, que abrange a região, três membros da quadrilha foram presos em Coxilha. Houve enfrentamento, mas ninguém ficou ferido. Com os bandidos foram encontrados um Vectra cinza chumbo, uma Ecosport roubada e um Ford Ka levado de uma das vítimas que estava no banco.

Dentro da casa de um dos homens, a polícia encontrou cinco toucas ninja, um colete à prova de balas, munição de calibre 9 milímetros e um revólver calibre 38. A polícia agora faz o cerco pelos matagais da região para tentar capturar os outros cinco integrantes da quadrilha.

Fonte: Zero Hora
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 4 =