Revisão do PCR e isonomia são apresentadas como prioridades ao BNB

Os bancários do Banco do Nordeste entregaram, nesta terça-feira (16), documento ao presidente da instituição, Marcos Holanda, contendo as principais cláusulas da pauta específica de reivindicações do último Congresso dos Funcionários do BNB não contempladas no acordo salarial.

O objetivo da Contraf-CUT e dos sindicatos que integram a Comissão Nacional dos Funcionários do BNB é cobrar da direção do banco a retomada da mesa permanente de negociação, suspensa no período de transição entre a saída do antigo presidente e a posse do atual, ocorrida há cerca de um mês. Dentre as demandas apresentadas durante a reunião, destacam-se a revisão do Plano de Cargos e Remuneração (PCR) e isonomia de direitos para todos os funcionários da instituição.

O secretário-geral da Contraf-CUT, Carlos de Souza, disse esperar que o novo presidente da BNB, Marcos Holanda, mantenha "a mesma coerência, diálogo e preocupação com os interesses da empresa e dos trabalhadores, garantindo os direitos e avançando em novas conquistas".

O fortalecimento do BNB como banco autossustentável financeiramente e capaz de cumprir a sua missão de desenvolver o Nordeste, utilizando para isso recursos do Fundo Constitucional, foi enfatizado pelo coordenador da Comissão Nacional dos Funcionários do BNB e diretor do Sindicato dos Bancários do Ceará, Tomaz de Aquino. "Para isso, é necessário também que o BNB exerça plenamente suas funções de instituição financeira múltipla", afirmou Aquino..

Entre as outras reivindicações, estão a solução previdenciária para os funcionários que já podem se aposentar, ajustes na gestão da Camed para assegurados, o retorno dos genitores ao Plano Natural, pagamento de diferença da PLR 2012 e acatamento de todos os pedidos de adesão ao PID (Programa de Incentivo ao Desligamento) feitos até o final do ano passado

Fonte: Contraf-CUT
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − 1 =