Lançamento da Frente Estadual unifica luta contra venda de estatais gaúchas

Os Bancários protagonizaram mais um capítulo da luta contra a liquidação das estatais gaúchas. No início da tarde desta sexta-feira, Fetrafi-RS, SindBancários e entidades representativas dos servidores da Corsan e CEEE, promoveram o lançamento oficial de uma Frente Estadual em defesa destas empresas, expoentes do patrimônio público dos gaúchos. Na ocasião, também foi apresentada a campanha de mídia, "Não deixe privatizar o que é teu – Nosso patrimônio não é mercadoria”, que irá mobilizar os trabalhadores e a sociedade gaúcha.

Os Bancários protagonizaram mais um capítulo da luta contra a liquidação das estatais gaúchas. No início da tarde desta sexta-feira, Fetrafi-RS, SindBancários e entidades representativas dos servidores da Corsan e CEEE, promoveram o lançamento oficial de uma Frente Estadual em defesa destas empresas, expoentes do patrimônio público dos gaúchos.

Na ocasião, também foi apresentada a campanha de mídia "Não deixe privatizar o que é teu – Nosso patrimônio não é mercadoria”, que irá mobilizar os trabalhadores e a sociedade gaúcha.

Em suas manifestações através do carro de som, dirigentes sindicais reafirmaram o compromisso dos trabalhadores de defender a manutenção das estatais, destacando a importância estratégica do Banrisul, da Corsan e da CEEE para o fortalecimento do Estado.

O presidente da CUT/RS, Claudir Nespolo, salientou o peso da unidade dos trabalhadores das três empresas públicas, neste momento de ataque ao patrimônio Público. "O Governo Sartori vai tentar liquidar as estatais a qualquer custo. Primeiro tenta criar a ideia de caos e blindado pela imprensa tradicional prepara a entrega do que sobrou do patrimônio público”, denuncia o sindicalista.

Nespolo salientou que 27% do ICMS não é arrecadado da maneira correta pelo Estado. Segundo o dirigente sindical, a cobrança dos grandes sonegadores de impostos já seria suficiente para equilibrar as contas públicas do Rio Grande do Sul. O presidente da CUT ainda ressaltou que o ajuste fiscal deve ser feito a partir da renegociação da dívida com a União e da regularização da cobrança do ICMS, sem a liquidação de patrimônio público.

Já os dirigentes da Fetrafi-RS, Denise Corrêa e Carlos Augusto Rocha, enfatizaram o engajamento dos banrisulenses na Frente Estadual em Defesa das Estatais. Os sindicalistas elogiaram a manifestação de força dos servidores e denunciaram as práticas equivocadas do Governo Estadual, que defende um projeto privatista e elitista. Além disso,
O presidente do SindBancários, Everton Gimenis, disse que o Banrisul está completando 87 anos neste sábado (12) porque os banrisulenses se empenharam para construir a história do Banco. O dirigente encerrou as manifestações do lançamento, convocando os participantes do ato para o tradicional abraço à Direção Geral do Banrisul.

Participação de sindicatos do Interior

Vários sindicatos filiados à Fetrafi-RS enviaram representantes para o ato unificado, reforçando a integração dos servidores na defesa do patrimônio público. Marcaram presença na atividade dirigentes dos sindicatos do Litoral Norte, Lajeado, Santa Cruz do Sul, Camaquã, Caxias do Sul, Vale do Paranhana, Rio Grande, Pelotas, Guaporé, Bagé, Ijuí, Santa Rosa e Criciúma.

Povo gaúcho pode impedir as privatizações

O artigo 22º da Constituição Estadual condiciona à consulta popular, sob a forma de plebiscito, a alienação, transferência do controle acionário, cisão, incorporação, fusão ou extinção do Banco do Estado do Rio Grande do Sul (Banrisul), Companhia Riograndense de Saneamento (CORSAN), Companhia Estadual de Energia Elétrica (CEEE), Companhia Rio-grandense de Mineração (CRM), Companhia de Gás do Estado do Rio Grande do Sul (SULGÁS), Companhia Estadual de Silos e Armazéns (CESA) e Companhia de Processamento de Dados do Estado do Rio Grande do Sul (PROCERGS).

Fonte: Imprensa/Fetrafi-RS
 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 × 1 =