Fetrafi-RS e sindicatos cobram ações da Fenaban para proteção à vida dos bancários e da população gaúcha

O movimento sindical está pressionando a Federação Nacional dos Bancos (Fenaban) para que reforce os protocolos de prevenção à Covid-19. Em reunião virtual nesta quinta-feira, 4 de março, a Fetrafi-RS e os representantes gaúchos das Comissões de Empregados dos bancos cobraram um posicionamento da Fenaban sobre o agendamento dos atendimentos, que deve ser de forma eletrônica, como meio de evitar filas e aglomerações nas agências bancárias.

Durante a reunião, os dirigentes sindicais demonstraram preocupação com os números alarmantes relacionados à Covid-19 no Rio Grande do Sul e o descumprimento de alguns gestores de agências bancárias dos protocolos referentes ao período de bandeira preta no Estado. Somente nesta quinta-feira, o RS registrou 179 mortes pela doença. O total de mortos desde o início da pandemia é de mais de 12,8 mil.

“Estamos diante de uma situação em que os especialistas apontam ser só o início de uma tragédia pior. O sistema de saúde do Rio Grande do Sul está em colapso total e temos problemas no cumprimento dos protocolos”, principiou o diretor de Comunicação da Fetrafi-RS, Juberlei Bacelo. “Estamos muito preocupados, pois alguns gestores ficam pedindo a flexibilização dos protocolos para os sindicatos, pedindo para não fazer a testagem de funcionários. Isso não é uma questão de autorizarmos ou não, é um decreto estadual, é a proteção à vida dos bancários”.

O serviço bancário é considerado essencial, de acordo com o decreto estadual. Contudo, não é permitida a presença de mais de 50% dos funcionários dentro das agências e nem aglomerações.  Além disso, existe o problema do agendamento do atendimento. Alguns bancos não estão realizando o agendamento de forma eletrônica – por telefone, chat, e-mail – e, naqueles onde isso está sendo feito, falta divulgação para a população.

Diante da situação, os bancários solicitaram aos representantes dos bancos que:

•    Reforcem os protocolos de higiene nas agências;
•    Reforcem a obrigatoriedade do uso de máscaras de proteção individual nas unidades;
•    Afastem rapidamente os casos suspeitos de infecção pelo coronavírus;
•    Criem um protocolo de agendamento eletrônico eficaz e o divulguem amplamente;
•    Coloquem o máximo de funcionários possível em home office.

“A situação que vivemos no Rio Grande do Sul deve se ampliar para o resto do país, mas aqui estamos em estado de emergência e, por isso, devemos tomar atitudes rigorosas e rápidas neste momento. Não há como remediar o adoecimento e a perda de vidas”, destacou o secretário de Saúde da Contraf-CUT, Mauro Salles. Este ressaltou, ainda, que se os bancos continuarem cobrando metas e abrindo exceção no atendimento presencial a clientes vips, as medidas de proteção não terão eficácia.

O presidente do SindBancários Porto Alegre e Região Metropolitana, Luciano Fetzner informou que o movimento sindical está fazendo a sua parte e reforçando à categoria a importância dos cuidados com a pandemia. “Estamos em campanha constante com os bancários em um esforço do movimento sindical para que os protocolos sejam cumpridos.” Já a diretora da Mulher Trabalhadora da Fetrafi-RS, Cristiana Garbinatto, cobrou que os bancos “se comprometam também com os protocolos em defesa da vida das pessoas”.

Após ouvir a posição do movimento sindical, os representantes dos bancos disseram que iriam discutir o assunto internamente e apresentar uma proposta de abordagem aos bancários do Rio Grande do Sul. Eles agradeceram o agendamento da reunião e disseram que, neste momento, é importante ouvir as demandas por estados, pois o país vive realidades distintas. Juberlei Bacelo encerrou a reunião colocando a Federação e os Sindicatos à disposição para assinar uma nota conjunta com a Fenaban solicitando a colaboração da sociedade para que não haja acúmulo de pessoas nos bancos durante esta fase crítica da pandemia.

Fonte: FetrafiRS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − 6 =