Sindicatos conquistam reintegração de funcionários do Bradesco e do Santander

Três funcionários são reintegrados em resposta a ação sindical para garantir compromisso de não demissão que grandes bancos assumiram na pandemia

 

Danielle Christine Braga, Fabiano Reis Fita e Rodolpho Lourenço, bancária do Santander S/A e bancários do Bradesco, respectivamente, em agências de Volta Redonda, Duque de Caxias e Campos dos Goytacazes, no Rio de Janeiro, têm o que comemorar nas festas de final de ano, porque não fazem mais parte da estatística de desempregados no país.

Os três trabalhadores tiveram suas demissões revertidas graças à atuação do movimento sindical, que buscou a Justiça para que os bancos cumprissem o compromisso firmado de não haver demissão durante o período de pandemia da Covid-19.

Fabiano é da base do Sindicato dos Bancários da Baixada Fluminense, Danielle pelo Sindicato dos Bancários do Sul Fluminense e Rodolpho Lourenço pelo Sindicato dos Bancários de Campos dos Goytacazes e Região. Logo quando foram desligados, os três procuraram atendimento dos departamentos Jurídico e de Saúde de seus respectivos sindicatos.

A Justiça concedeu um Mandado de Segurança que determinou a reintegração de Fabiano Reis Fita no dia 8 de dezembro, na agência Centro do Bradesco em Duque de Caxias.

No dia seguinte, 9 de dezembro, foi a vez da Danielle Christine Braga ser reintegrada ao quadro de funcionários do Banco Santander S/A na agência Volta Redonda. O Juiz da 1ª Vara do Trabalho de Volta Redonda, que avaliou o caso da bancária admitida em 2005 e demitida pelo Bradesco em janeiro de 2021, determinou ainda o pagamento de todas as verbas salariais não creditadas durante o período em Danielle esteve afastada.

E, mais recentemente, em 16 de dezembro, dia em que ocorreu também o Dia Nacional de Luta dos trabalhadores do Bradesco, em todo o país contra demissões, cobrança de metas abusivas e a retirada das portas giratórias de segurança em diversas unidades do banco, ocorreu a reintegração de Rodolpho Lourenço na agência 0065, no calçadão do centro financeiro da cidade de Campos dos Goytacazes.

Importância dos sindicatos

Rodolpho estava com 14 anos de carreira no Bradesco quando foi desligado. “Não esperava a demissão. Foi um baque pra mim, que já estava em tratamento de depressão”, contou o bancário, que é casado com uma professora e tem dois filhos. A Justiça determinou o cancelamento da demissão, depois de quase dois meses, por Rodolpho ser portador de doença ocupacional que afetou os dois ombros. “Hoje a sensação é de felicidade, de tranquilidade, e o apoio do sindicato foi fundamental para que eu pudesse retornar ao banco”, comemorou.

Esses três casos reafirmam a importância de bancárias e bancários sindicalizarem-se. “O sindicato atua em várias frentes, com o Departamento Jurídico e de Saúde. Especificamente nos casos de demissões, o bancário associado deve nos informar seu desligamento acessando o nosso site, na aba ‘Serviços/Departamento Jurídico’ e preenchendo o formulário. Nem todos os bancos fazem homologação na entidade, inviabilizando a ciência do desligamento e, consequentemente, a nossa ação imediata. Estas precauções permitem que a entidade verifique a regularidade do desligamento, o correto pagamento dos direitos e subsidie a luta em defesa da manutenção dos empregos na categoria”, observou o presidente do Sindicato dos Bancários do Sul Fluminense, Júlio Cunha.

 

Fonte: Contraf-CUT

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

dezesseis − quatro =