Militância tem papel fundamental no debate por igualdade de oportunidades na classe bancária

Apesar de serem maioria no Banco do Brasil, mulheres não ocupam cargos de gerência e gestão na instituição

 

Segundo trabalho do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômico (Dieese), em parceria com a Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), com base no último Censo de Diversidade, apesar de as mulheres serem a maioria do quadro de trabalhadores no Banco do Brasil, a média de salário dos homens é maior e fica em cerca de R$ 10 mil, enquanto a das mulheres bancárias e negras fica em pouco menos de R$ 6 mil.

Mais estudos, menos oportunidades

“Nós, mulheres, estudamos mais, somos multitarefa e maioria nesta categoria, mesmo assim não estamos, proporcionalmente, representadas nos espaços de comando”, refletiu Neiva Ribeiro, secretária-geral do Sindicato dos Bancários e Financiários de São Paulo Osasco e Região e vice-presidente da UniAméricas. Ela participou do Encontro sobre Desigualdade de Gênero e Raça no Trabalho e Renda, nesta sexta-feira (10), último dia do 33º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil.

Neiva lembrou ainda do impacto da ascensão do bolsonarismo, ampliando os retrocessos tanto no ambiente de trabalho, quanto social. Por outro lado, apontou as entidades sindicais como detentoras dos espaços onde essa discussão mais avançou.

“A questão que temos que levantar agora é como nos organizar mais e melhor. Como militantes, temos o papel de trazer mais colegas bancários na luta pela igualdade de oportunidades”, pontuou.

Assédio, racismo e xenofobia

A secretária de Mulher da Contraf-CUT, Fernanda Lopes, que coordenou a mesa, também destacou que as denúncias de assédio, racismo e até de xenofobia tem aumentado. “Não há dúvidas de que esse governo deu licença para pessoas preconceituosas não terem vergonha de mostrar a cara e falar o que pensam. Por isso, não podemos deixar de somar forças, sofrer junto, lutar junto, apoiar as vítimas”, ponderou.

Sandra Trajano, secretária-geral do Sindicato dos Bancários em Pernambuco, funcionária do BB e secretária de Finanças da Fetrafi/NE, ao falar da sua trajetória de conhecimento das desigualdades e a luta para equiparar os direitos de mulheres, negros e negras, deficientes e população LGBTQIA+ em todos os espaços da categoria, observou que esse conhecimento lhe foi dado pelo movimento sindical. “Evoluímos muito nesse aspecto de compreender o lugar pela igualdade, ainda que não tenhamos alcançado a plenitude de tratamento”, destacou.

Gênero e raça

A diretora do Sindicato dos Bancários da Paraíba Magali Pontes ressaltou a importância de trazer a temática racial e de gênero para dentro do BB, para avançar o quanto for possível nessas questões que vêm sendo negligenciadas desde o golpe de 2016. “O Banco do Brasil, no governo do PT, era signatário do programa de equidade de Gênero e Raça, algo que logo após a ascensão de Temer passou a ser esquecido e deixado pra trás”, disse.

Ela também reforçou que as mulheres são maioria no Banco do Brasil. “Somos um pouco mais de 51%, mas em compensação, isso não se reflete nos espaços de cargos de gerência e de comando na instituição. Isso é um retrato nítido da desigualdade de gênero. O percentual cai, ainda mais, quando se trata de mulheres negras.” Para Magali, dados apresentados pelas outras palestrantes chocam quando dão conta de que o BB, uma instituição secular, ainda apresente ações de violência sexual, de discriminação contra pessoas LGBTQIA+ e de desigualdade de gênero.

Falas de violência

Ana Cristina Rosa Garcia, ex-gerente executiva da área de gestão de pessoas do BB, lembrou que, na sua trajetória de ascensão no banco, enfrentou inúmeras falas de violência. “Quantas vezes tive que falar alto e, como resposta, obtive a reclamação de que eu estava nervosa. Mas o mesmo não era dito aos homens quando falavam alto e discutiam em suas posições de comando dentro do banco”, contou.

“Encontro como esses, que estamos realizando, são, portanto, muito importantes porque o debate é complexo e o espaço ainda não está garantido para nós”, pontuou.

Desigualdade no trabalho

Juliana Cardoso, vereadora pelo Partido dos Trabalhadores de São Paulo, participou virtualmente da mesa que tratou de combate à desigualdade de gênero e raça no trabalho e renda. A vereadora, que é mulher de origem indígena, militante pelos direitos do povo e das mulheres das periferias urbanas, destacou prioritariamente em sua fala a necessidade de ocupar os espaços de poder no sistema político. “Vamos lembrar que, por 20 séculos da história da humanidade a mulher não ocupou posições políticas dentro do Parlamento. Hoje já vemos diferença, mesmo assim ainda temos muito que lutar” completou.

Capitalismo selvagem

A advogada, mestra em Direito Político e Econômico e bacharel em Direito pela Universidade Mackenzie e diretoria do Instituto Lula, Tamires Sampaio, enfatizou que a violência de gênero, classe e raça está enraizada na nossa cultura e normalizada nas relações, mostrando que, após análise, é possível entender que a discriminação é uma questão que está no centro da sociedade capitalista. “Quando a gente fala da naturalização da violência, ela também acontece em ambiente nossos, sindicais, populares. Temos que combater essas diversas formas de violência, para que, de fato parem de se repetir.”

 

Fonte: Contraf-CUT

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

quinze + seis =