Banrisulenses cobram respostas do Banco para renovação do acordo de teletrabalho

O ano de 2022 deve se encerrar com a renovação do Acordo Coletivo de Teletrabalho do Banrisul. Foi o que apontou a reunião desta terça-feira, 13 de dezembro, entre o Comando Nacional dos Banrisulenses e o Banco. PPR e o futuro do Banrisul também entraram na pauta de discussão.

Para fechar a renovação do ACT, os Banrisulenses cobraram do Banco uma resposta quanto à isonomia e clareza do processo.  O movimento sindical vem solicitando um mapeamento desde a abertura das negociações, em maio. “Colegas de várias unidades reclamam de que não conseguiam se enxergar dentro do sistema por não terem parâmetros claros. Estamos há meses cobrando um compromisso do Banco de fazer esse mapeamento e divulgar internamente o organograma do teletrabalho”, destacou o presidente do SindBancários Porto Alegre e Região, Luciano Fetzner.

Além disso, o direito ao home office dos colegas com comorbidades também foi questionado mais uma vez pelos representantes dos trabalhadores. “Já tratamos disso na mesa da saúde, mas os sindicatos estão esperando um retorno do Banco”, pontuou a diretora de Saúde do Trabalhador da Fetrafi-RS, Raquel Gil de Oliveira.

“Com relação às comorbidades, temos que lembrar que a pandemia ainda está aí e vem se espalhando. O interesse pelo teletrabalho está aumentando e isso precisa ser debatido”, reforçou a diretora de Formação da Fetrafi-RS, Ana Maria Betim Furquim.

Para o movimento sindical, as pessoas com deficiência também deveriam ser contempladas no Acordo. E não só estas, mas pais e mães de PCDs também. “Isso vai no sentido de proteção à infância, não é privilégio, é necessidade da criança”, ressaltou Raquel.

Os negociadores do Banco informaram que estudarão o assunto para apresentar uma minuta de Acordo ainda nesta semana.

Metas X PPR

A renovação do ACT PPR Banrisul também foi rapidamente discutida na reunião desta terça-feira. Os dirigentes sindicais cobraram do Banco que apresente informações quanto aos resultados e atingimento de metas. “Precisamos revisar essas metas e ver se o Acordo que já temos está condizente com a expectativa de melhoria do processo”, afirmou Raquel, questionando, ainda, a situação dos Operadores de Negócios, que este ano foram os mais impactados com as mudanças relacionadas à participação nos resultados e lucros do Banco.

Segundo os representantes do Banco, a proposta de renovação da PPR deve trazer atualizações, mas “nada que impacte na remuneração”. Esta minuta também deve ser apresentada até sexta-feira e discutida na próxima reunião.

Futuro do Banrisul

O diretor da Fetrafi-RS Fábio Soares pediu clareza da atual diretoria do Banrisul quanto aos rumos do Banco. Ele questionou o anúncio de fechamento da agência digital e a decisão de vender o Centro Social do Banrisul na Serraria (em Porto Alegre), que deve ir a leilão em janeiro próximo. “Estamos aqui fazendo várias definições de curto prazo, mas queremos entender o que vai ser do Banrisul a longo prazo. Nosso governador colocava que ia vender o Banrisul, mas nas eleições ficou muito claro que ele mudou de ideia. Se a decisão é de que o Banrisul permanece público, então a gestão não pode fechar agências”, enfatizou.

O Comando solicitou, representando a Fetrafi-RS e seus sindicatos filiados, que seja retirado o leilão de venda da Serraria e cancelado o fechamento da agência virtual.

A próxima reunião entre os representantes dos trabalhadores e a diretoria do Banrisul está marcada para terça-feira, 20 de dezembro.

 

Fonte: Fetrafi-RS

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 × 4 =